Sábado
15 de Maio de 2021 - 
Telefone Fixo/WhatsApp: (21) 2524-4508
Telegram/SMS: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP 20.540-005
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,28 5,28
EURO 6,37 6,37
LIBRA ES ... 7,41 7,41
GUARANI 0,00 0,00

Últimas notícias

Vereador Dr. Jairinho se torna réu por torturar filha de ex-namorada

A 2ª Vara Criminal de Bangu, na Zona Oeste do Rio, aceitou nesta terça-feira (3/5) a denúncia do Ministério Público estadual contra o vereador Jairo Souza Santos Junior, o Dr. Jairinho, pelo crime de tortura contra a filha de uma ex-namorada dele, entre os anos de 2011 e 2012.  Segundo a acusação, a criança, então com quatro anos, foi submetida a intenso sofrimento físico e mental, como forma de castigo pessoal. Na decisão, a juíza Luciana Mocco Moreira Lima destaca que os laudos periciais foram conclusivos quanto à existência de lesão à integridade corporal da vítima através de ação contundente.  “Os inúmeros depoimentos testemunhais colhidos na fase inquisitorial, demonstram os indícios de autoria na pessoa do denunciado, notadamente o depoimento (...) da avó materna da vítima (...), que declarou ter ouvido de sua neta que teria sido agredida por Jairinho diversas vezes”.  Ainda segundo a magistrada, a menina prestou depoimento no setor especial da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima, “narrando de forma detalhada as inúmeras agressões sofridas”. De acordo a denúncia, Dr. Jairinho aproveitava as oportunidades em que se encontrava sozinho com a enteada para torturá-la física e mentalmente. “Tem-se que o denunciado batia com a cabeça da vítima contra diversos lugares, chutava e desferia socos contra a barriga da criança, além de afundá-la na piscina colocando seu pé sobre sua barriga, afogando-a, e de torcer seu braço”, diz o documento do MP. Conforme a acusação, o vereador afirmava para a menina que ela atrapalhava sua mãe e que a relação do casal seria mais fácil “sem ela no meio”. O parlamentar, que atualmente está preso pela suspeita de atrapalhar as investigações que apuram a morte do menor Henry Borel, não teve a prisão preventiva decretada neste novo caso.  Conforme a decisão, o fato de as agressões terem ocorrido há cerca de 10 anos, afasta a possibilidade de decretação da medida cautelar extrema. “Cabe ressaltar, que é fato público e notório e com notícia nos autos de que o denunciado já se encontra PRESO TEMPORARIMANTE por decisão proferida no processo (...) que apura a morte triste e lamentável do menor HENRY BOREL, razão pela qual, não há qualquer perigo à ordem pública ou econômica, à conveniência da instrução penal ou à aplicação da lei penal a não decretação da medida extrema por ausência de requisito objetivo nesses autos”, escreveu a juíza, que decidiu pela aplicação de medidas cautelares ao vereador. O vereador está proibido de manter qualquer tipo de contato com a vítima e seus familiares, em especial, os parentes que figuram como testemunha nos autos.  Na hipótese de ser posto em liberdade, fica proibido de se aproximar dessas pessoas, devendo comparecer mensalmente ao juízo para manter atualizado seu endereço e justificar suas atividades.  O vereador está proibido de se ausentar da comarca, sem prévia comunicação ao juízo. Processo: 0012727-24.2021.8.19.0204 AB  
03/05/2021 (00:00)
Visitas no site:  388445
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.