Sexta-feira
29 de Maio de 2020 - 
Telefone Fixo/WhatsApp: (21) 2524-4508
Telegram/SMS: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP 20.540-005
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
24ºC
Min
18ºC
Predomínio de

Sábado - Rio de Janei...

Máx
23ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,34 5,34
EURO 5,91 5,91
LIBRA ES ... 6,58 6,58
GUARANI 0,00 0,00

Últimas notícias

STF suspende liminar e libera posse na Alerj de André Corrêa, investigado na Operação Furna da Onça

O Supremo Tribunal Federal derrubou a liminar da Justiça do Rio que impedia a posse na Assembléia Legislativa do Rio (Alerj) do deputado André Corrêa, preso na operação Furna da Onça, da Polícia Federal. A decisão é do ministro Dias Toffoli, presidente da corte. "Diante dessas considerações, sem prejuízo de reexame posterior da matéria, defiro a liminar para suspender os efeitos da decisão liminar proferida nos autos da ação civil pública nº 007013-80.2019.8.19.0001 da 13ª Vara de Fazenda Pública e mantida pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, que suspendeu a posse do requerente no cargo de Deputado Estadual junto à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.Comuniquem-se solicitando-se informações, que deverão ser prestadas no prazo máximo de 10 (dez) dias. Após, dê-se vista dos autos à Procuradoria-Geral da República", diz o trecho da decisão de Toffoli. 1 de 1 André Correa chega preso à Polícia Federal, em imagem de 2018 — Foto: Henrique Coelho/G1 Em abril, a defesa do deputado estadual André Correa recorreu ao STF para que o parlamentar retomasse o mandato na Alerj. Deputado do Rio aciona STF para retomar mandato na AlerjAndré Corrêa: 'Quem não deve, não teme' Operação Furna da Onça Correa foi preso em novembro de 2018 em meio à Operação Furna da Onça, que investigou um esquema de recebimento de propinas mensais que variavam de R$ 20 mil a R$ 100 mil para votar de acordo com o interesse do governo estadual à época. O esquema teria movimentado pelo menos R$ 54 milhões, segundo a PF. Em outubro de 2019, a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, decidiu que caberia à Alerj decidir se Correa e outros parlamentares presos na mesma operação deveriam continuar presos. Por 39 votos a 25, a assembleia liberou os deputados. OPERAÇÃO FURNA DA ONÇA Lava Jato no Rio mira 10 deputados estaduais em investigação sobre 'mensalinho' Quem é quem entre os deputados presos 'Mensalinho' girou R$ 54 milhões: 'Propinolândia' André Corrêa: 'Quem não deve, não teme' Deputado usou propina para desfile da Mangueira Deputados 'lotearam' Detran em 20 municípios Preso quer atuar na Alerj via mulher Tribunal transforma em prisão preventiva alvos da operação
23/05/2020 (00:00)
Visitas no site:  271285
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.