Sábado
17 de Novembro de 2018 - 
Telefone: (21) 2524-4508
Telefone 24 horas: (21) 99627-5880
Fax: (21) 2569-8487
WhatsApp/Telegram: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP ...
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
28ºC
Min
23ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - Rio de Janei...

Máx
32ºC
Min
24ºC
Parcialmente Nublado

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,75 3,75
EURO 4,28 4,28
LIBRA ES ... 4,83 4,83
GUARANI 0,00 0,00

Endereço

+55 (21) 2524-4508+55 (21) 2569-8487 FAX+55 (21) 99627-5880

Últimas notícias

OAB/RJ participará da 9ª Caminhada da Adoção, em Copacabana

Nádia Mendes Mais de oito mil crianças estão aptas a serem adotadas, enquanto mais de 43 mil pessoas estão habilitadas para adoção em todo o país, segundo dados do Cadastro Nacional de Adoção. Para dar visibilidade a essas crianças e adolescentes que estão privadas do direito de viver em uma família, o Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM) realizará a nona edição da Caminhada da Adoção, no próximo domingo, dia 20, com concentração às 9h no Posto 6, na Praia de Copacabana. A Comissão de Direitos da Criança e do Adolescente (CDCA) da OAB/RJ apoia o evento desde a primeira edição. A caminhada é realizada sempre no domingo anterior ao Dia Nacional da Adoção, 25 de maio. Segundo a presidente da CDCA, Silvana do Monte Moreira, além das 8 mil crianças já aptas para adoção, mais 40 mil estão em processo de destituição de poder familiar e este processo é atrasado por vários motivos. No Rio de Janeiro, ela cita a acumulação das competências das varas. "Na capital, por exemplo, as varas são da infância, da juventude e do idoso. Essa acumulação de competências, além de prejudicial para o andamento dos processos, descumpre o provimento nº 36 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ)", explica. Além das varas exclusivas, Moreira destaca a necessidade de assistentes sociais, pedagogos e psicólogos em número suficiente trabalhando nos casos de adoção. "Nós não temos esse corpo técnico e, quando temos, é em número insuficiente. A caminhada é para dar visibilidade a essas crianças que não têm quem lute por elas, estão nos abrigos, escondidas debaixo do tapete da sociedade. Ninguém vê e não incomoda ninguém, mas não cometeram nenhum crime. O que queremos é o cumprimento do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e do Artigo 227 da Constituição Federal", defende.
16/05/2018 (00:00)
Visitas no site:  186184
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.