Sábado
28 de Novembro de 2020 - 
Telefone Fixo/WhatsApp: (21) 2524-4508
Telegram/SMS: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP 20.540-005
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
29ºC
Min
23ºC
Poss. de Panc. de Ch

Domingo - Rio de Janei...

Máx
30ºC
Min
24ºC
Parcialmente Nublado

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,35 5,35
EURO 6,39 6,39
LIBRA ES ... 7,14 7,14
GUARANI 0,00 0,00

Últimas notícias

EPM promove o curso ‘Direito e questão racial’

Aula inaugural foi ministrada por Lígia Fonseca Ferreira Com o tema 'Contribuições de Luiz Gama para o Direito Brasileiro', teve início ontem (20) o curso Direito e questão racial da Escola Paulista da Magistratura (EPM), coordenado pelas juízas Camila de Jesus Mello Gonçalves e Flávia Martins de Carvalho. A aula inaugural foi ministrada pela professora Lígia Fonseca Ferreira. A gravação da aula em breve será disponibilizada no canal da EPM no YouTube. A abertura dos trabalhos foi feita pelo diretor da EPM, desembargador Luis Francisco Aguilar Cortez, que agradeceu a participação de todos e o trabalho das coordenadoras do curso. Ele lembrou que os conflitos surgem de desajustes na sociedade e que é preciso conhecer as causas e enfrentá-las. "Nas nossas raízes históricas, uma das fontes dos nossos desajustes sem dúvida tem relação com a questão racial, que tem de ser estudada e superada para encontrarmos o bem comum. Com esse curso certamente poderemos nos tornar melhores juízes e melhores pessoas", ponderou. A juíza Flávia Carvalho, diretora de Promoção da Igualdade Racial da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e integrante do grupo de trabalho criado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para propor políticas judiciárias de combate ao racismo institucional no Poder Judiciário, agradeceu a participação de todos e o apoio da direção da Escola. "O quanto é simbólico e representativo estar aqui no Dia Nacional da Consciência Negra e fazer um resgate histórico sobre Luiz Gama, que teve uma trajetória tão importante para o Estado e para o País. O Judiciário também tem esse papel de promover o debate e buscar alternativas para o desenvolvimento de uma sociedade mais igualitária também do ponto de vista racial", salientou. Lígia Ferreira iniciou a exposição lembrando que a data comemorativa do Dia da Consciência Negra foi idealizada pelo poeta e professor Oliveira Silveira e corresponde ao dia da morte de Zumbi dos Palmares em 1695. Autora da obra Lições de Resistência, ela discorreu sobre a trajetória de Luiz Gama (1830 – 1882), considerado o primeiro abolicionista. Ela ressaltou que Luiz Gama foi um dos mais notáveis intelectuais negros e ativistas do século XIX e que sua história poderia ser considerada um patrimônio, não apenas do Brasil, conquanto não seja estudada nos bancos escolares. "Ele foi um defensor dos escravizados e do Direito e um grande intérprete do Brasil", frisou, acrescentando que ele também foi jornalista, teve importante produção literária e que reconhecimentos póstumos e leis, em 2018, o declaram herói e patrono da abolição da escravidão. A professora ressaltou o pioneirismo de Luiz Gama: foi o único intelectual e ativista negro do século XIX autodidata; o único a ter vivido a escravidão (por oito anos), embora nascido livre; escreveu sátiras políticas, sociais e raciais; lutou pelo abolicionismo, pelo fim da monarquia e instauração da república e pelos direitos humanos; foi o primeiro abolicionista negro a criar estratégias infalíveis para libertar "pessoas ilegalmente escravizadas", como ele denominava; atuou na educação e na imprensa; e, no campo do pensamento jurídico, introduziu a perspectiva fundada na sua vivência como negro ex-escravizado. A palestrante citou ainda trecho por ele escrito: "[em 1868] saí para o foro e para a tribuna, onde ganho o pão para mim e para os meus, que são todos os pobres, todos os infelizes, e para os míseros escravos que, em número superior a 500, tenho arrancado às garras do crime." E, diante de ameaças de morte que recebia, declarou nos jornais: "eu advogo de graça, por dedicação sincera à causa dos injustiçados. Não pretendo lucros. Não temo violências". "Luiz Gama viveu sempre em busca da liberdade e do saber", concluiu. Participaram também do evento a desembargadora Luciana Almeida Prado Bresciani, conselheira da Escola, o juiz Carlos Alexandre Böttcher, entre outros magistrados, servidores e outro profissionais.   imprensatj@tjsp.jus.br Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial
21/11/2020 (00:00)
Visitas no site:  319650
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.