Sábado
24 de Outubro de 2020 - 
Telefone Fixo/WhatsApp: (21) 2524-4508
Telegram/SMS: (21) 99627-5880
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 133, sobrado, parte, Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, CEP 20.540-005
CASTRO MAGALHÃES SOCIEDADE INDIVIDUAL DE ADVOCACIA

Controle de Processos

Webmail

Newsletter

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,58 5,58
EURO 6,60 6,60
LIBRA ES ... 7,30 7,31
GUARANI 0,00 0,00

Últimas notícias

Dois partidos vão ao Conselho de Ética do Senado para cassar o mandato de Chico Rodrigues

Os partidos Rede e Cidadania entraram com representação no Conselho de Ética para cassar o mandato do senador do Democratas Chico Rodrigues, flagrado com dinheiro na cueca. O plenário do Supremo vai julgar na quarta-feira (21) a decisão do ministro Luís Roberto Barroso, que afastou Chico Rodrigues do mandato no Senado. No documento em que a Polícia Federal pediu para fazer buscas na casa de Chico Rodrigues, os investigadores relatam que o senador do Democratas acompanhava de perto as compras da Secretaria de Saúde de Roraima. A Polícia Federal suspeita que Chico Rodrigues tinha papel central no esquema, que desviava dinheiro de emendas parlamentares. O senador tinha grande influência na Secretaria de Saúde de Roraima e também fazia parte da comissão do Senado que acompanha os gastos relacionados ao combate ao coronavírus. Por isso, a PF investiga agora se ele atuava em duas pontas: na obtenção dos recursos em Brasília e no gasto final no estado. Segundo a PF, “sua atuação direcionou-se para a destinação de emendas parlamentares ao estado e consequente peculato das mesmas verbas". Os investigadores calculam que as fraudes podem passar de R$ 20 milhões. Este ano, o senador Chico Rodrigues conseguiu empenhar mais de R$ 15 milhões em emendas, grande parte para a área de saúde. No Senado, Chico Rodrigues tem uma atuação alinhada a pautas defendidas pelo governo. O senador é relator, por exemplo, do projeto que altera os limites do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses e defende a legalização do garimpo em terras indígenas. “Então nós precisamos logo que o governo, o Congresso Nacional regulamente essa questão da exploração mineral em áreas indígenas", disse em janeiro deste ano. No fim do mês passado, Chico Rodrigues acompanhou a visita do secretário de Estado americano, Mike Pompeo, à Roraima, junto com o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Nesta sexta (16), Rodrigues pediu para sair da comissão que acompanha os gastos relacionados ao coronavírus, mas ainda é titular do Conselho de Ética, onde dois partidos entraram com representação para cassar o mandato dele. Por causa da pandemia, as comissões permanentes e o Conselho de Ética estão com os trabalhos suspensos. Somente uma decisão da Mesa Diretora do Senado pode autorizar que o conselho volte a funcionar durante a pandemia. “O Conselho de Ética do Senado já foi instalado, tem presidente e por conta disso deve imediatamente se reunir. O comportamento do senador é flagrantemente contrário à ética e ao decoro parlamentar e, em decorrência disso, o mandato deve ser cassado”, disse o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) O ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso comunicou oficialmente o Senado nesta sexta da decisão que afastou Chico Rodrigues. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, do Democratas, deve tratar do assunto com os líderes de partidos na segunda-feira (19). O afastamento ainda tem de ser votado pelo plenário do Senado, que pode manter ou suspender a decisão do ministro Barroso. Em 2017, o Supremo decidiu que a palavra final sobre medidas judiciais que afetem o mandato, como o afastamento de parlamentares, cabe ao plenário do Senado ou da Câmara. O entendimento foi usado no caso do então senador Aécio Neves, do PSDB, denunciado por obstrução de Justiça e organização criminosa. Ele foi afastado do mandato por decisão da primeira turma do STF. O plenário do Senado, mesmo diante dos fatos apresentados pela Procuradoria-Geral da República, decidiu que ele deveria continuar nas funções, revertendo a decisão da turma do STF. Nesta sexta, alguns parlamentares se manifestaram contra a decisão de Barroso. “Sem entrar no mérito das acusações que são feitas contra o senador Chico Rodrigues, eu quero dizer que foi absolutamente impróprio, intempestivo e eu diria até inconstitucional a determinação monocrática do ministro Barroso determinando o afastamento do senador do mandato”, afirmou o senador Major Olímpio (PSL-SP). Mas um grupo de senadores iniciou uma reação para evitar que Chico Rodrigues seja beneficiado. “O meu voto é pela manutenção da decisão do ministro Barroso e pelo afastamento do senador. O caso é absolutamente grave e o Senado não pode agir com corporativismo”, disse o senador Reguffe (Podemos-DF). O ministro Luís Roberto Barroso defendeu sua decisão de afastar o senador: “A decisão de afastamento de um parlamentar que integrava a comissão do Congresso Nacional responsável pela alocação de recursos de combate à pandemia e numa investigação conduzida pela Polícia Federal se encontraram indícios de que estaria envolvido em desvio de recursos da saúde. Apenas me pareceu uma solução natural e óbvia que alguém que está sendo investigado por desvios na saúde não seja responsável pela alocação desses recursos." No início da noite, o presidente do Supremo, ministro Luiz Fux, atendeu a um pedido do ministro Barroso e na quarta-feira (21) o plenário do Supremo vai avaliar a decisão de Barroso que afastou Chico Rodrigues do Senado.
16/10/2020 (00:00)
Visitas no site:  308924
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.